Eisai e DNDi iniciam Acordo de Colaboração e Licenciamento para desenvolver novo medicamento contra a doença de Chagas

[29 de setembro de 2009, Tóquio, Japão e Genebra, Suíça]
Eisai Co., Ltd. (“Eisai”) e a Iniciativa Medicamentos para Doenças Negligenciadas (DNDi), uma fundação independente sem fins lucrativos, anunciaram hoje a assinatura de um acordo de colaboração para o desenvolvimento clínico de um novo e promissor medicamento para o tratamento de pacientes com a doença de Chagas, uma doença infecciosa fatal que ameaça 100 milhões de pessoas na América Latina e no Caribe.
[English] [Español]

Ravuconazol, um medicamento antifúngico desenvolvido pela Eisai, demonstrou potente atividade in vitro e in vivo contra o parasita responsável pela doença de Chagas. Pelos termos do acordo, DNDi será a única responsável pelo desenvolvimento clínico avaliando a eficácia e a segurança do E1224, uma pró-droga do ravuconazol, em pacientes com a doença de Chagas nos países endêmicos. A Eisai repassará a DNDi o seu conhecimento científico em desenvolvimento clínico, assim como disponibilizará o medicamento para estudos clínicos. Eisai também poderá ser o parceiro industrial da DNDi na fabricação, registro e acesso do E1224 ao setor público dos países endêmicos.

“Desde a fundação da DNDi em 2003 para o desenvolvimento de medicamentos inovadores, seguros, baratos e mais eficazes para o tratamento das doenças negligenciadas, este acordo é nossa primeira parceria com uma empresa farmacêutica japonesa que trará ferramentas de saúde inovadoras para aqueles que mais necessitam” declarou Bernard Pecoul, Diretor Executivo da DNDi. “Este projeto trará de volta a esperança para pacientes e médicos” .

“Estamos muito satisfeitos em estabelecer um modelo de colaboração inovador com a DNDi, uma parceria para desenvolvimento de produtos (PDP), para juntos atendermos a demanda dos pacientes que sofrem de uma doença negligenciada”, enfatizou Mr. Haruo Naito, Presidente da Eisai. “Reconhecendo a luta de milhares de pacientes de Chagas, a Eisai dá um passo à frente nessa busca por um tratamento eficaz que possa atender às suas necessidades. Esta parceria ilustra a missão humanitária da Eisai de atender as demandas de saúde trazendo benefícios a esses pacientes e seus familiares”.

Transmitida pela picada do barbeiro, a doença de Chagas é um problema de saúde pública importante nas áreas mais pobres dos países da América Latina e do Caribe. Cerca de 8 milhões de pessoas estão infectadas, e cerca de 30% desses – se não forem tratados – irão desenvolver graves problemas cardíacos ou intestinais que podem levar à morte. Os únicos tratamentos disponíveis para curar a doença são dois medicamentos, descobertos há mais de 30 anos, com eficácia limitada na fase crônica da doença e com perfis de pouca tolerabilidade em adultos. Neste contexto, o desenvolvimento de um novo tratamento que pode ser eficaz para a fase crônica da doença, em especial em pacientes adultos, representará uma grande novidade.

Neste esforço de colaboração para atender às necessidades das doenças negligenciadas, Eisai e DNDi trabalharão juntas para disponibilizar um novo tratamento contra a doença de Chagas o mais rápido possível.

Sobre a doença de Chagas

A doença de Chagas é transmitida principalmente pelo inseto conhecido como barbeiro. A doença é endêmica em 21 países da América Latina e do caribe, com cerca de 14.000 mortes por ano. A doença de Chagas mata mais pessoas na região do que qualquer outra doença parasitária, incluindo a malária. Em sua maioria, são pessoas pobres que vivem em áreas rurais ou que migraram para os subúrbios de grandes centros urbanos, constituindo assim um mercado pouco atrativo para a indústria farmacêutica privada. Sem diagnóstico e tratamento adequados, um em cada três pacientes com doença de Chagas irá desenvolver a forma fatal da doença com o crescimento do coração. Com frequência, pacientes precisam de marcapassos, desfibriladores e, em alguns casos, de um transplante de coração. Muitos pacientes, no entanto, morrem subitamente, a maioria sem sequer saber que estava infectada. Segundo a OMS, o número de casos diagnosticados vem crescendo nos últimos anos devido à migração populacional e à inclusão de novas áreas de transmissão até então não endêmicas como a Austrália, Estados Unidos, Canadá, Japão e Europa. Esta globalização da doença de Chagas está relacionada a outros tipos de transmissão não vetorial, tais como a transfusão de sangue, a transmissão congênita e o transplante de órgãos.

Sobre DNDi

A Iniciativa de Medicamentos para Doenças Negligenciadas (DNDi) é uma parceria de pesquisa e desenvolvimento de medicamentos sem fins lucrativos fundada em 2003. Sete organizações de diferentes partes do mundo se uniram para criar a DNDi: cinco instituições do setor público – a Fundação Oswaldo Cruz do Brasil, o Conselho Indiano de Pesquisa Médica da Índia, o Instituto de Pesquisa Médica do Quênia, o Ministério da Saúde da Malásia e o Instituto Pasteur da França; uma organização humanitária – Médicos sem Fronteiras (MSF); e uma organização internacional de pesquisa – o Programa Especial para Pesquisa e Treinamento em Doenças Tropicais (TDR) do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) / Banco Mundial/Organização Mundial da Saúde (OMS), que atua como observador permanente da organização. Para mais informações, visite www.dndi.org. Em julho de 2009, na ocasião do centenário da descoberta da doença de Chagas, DNDi e seus parceiros lançaram uma campanha para atrair a atenção às grandes lacunas que existem no tratamento dos pacientes de Chagas. Para mais informação acesse: www.tratechagas.org

Sobre Eisai Co., Ltd.

Eisai Co., Ltd. é uma empresa de pesquisa em saúde que descobre, desenvolve e comercializa produtos em todo o mundo. Eisai direciona seus esforços em três áreas terapêuticas: Neurociência, Oncologia e Reação Imunológica/Vascular. Eisai tem uma rede internacional de estruturas para pesquisa, fábricas e subsidiárias e possui atualmente mais de 10 mil empregados em todo o mundo. Para mais informação acesse www.eisai.co.jp/index-e.html

Contacts:

DNDi
Flávio Guilherme Pontes
press@dndi.org.br
(21) 2215-2941 / (21) 8123-4133